Representante do Ministério da Saúde está no Acre para tratar do Projeto Vida no Trânsito

por admin
0 visualizações

Representantes de órgãos municipais e estaduais ligados à educação e ao trânsito estiveram reunidos na manhã desta sexta-feira, 9, na prefeitura de Rio Branco, para traçarem estratégias para o projeto Vida no Trânsito, coordenado pelo Ministério da Saúde.

“Esse projeto iniciou-se em 2010, com foco no combate a fatores de riscos nacionais, principais causadores de acidentes de trânsito, que ficaram estabelecidos em velocidade e mistura de bebida e direção”, explicou o assessor do Ministério da Saúde, Otaliba Libane.

Primeiramente é necessário instaurar uma comissão intersetorial, composta por representantes de instituições ligadas ao trânsito, saúde e educação. Em seguida, será elaborado um projeto contendo o plano de ação anual. Outra coisa importante a ser realizada é a qualificação das informações sobre acidentes, que deverá unificar um banco de dados para que sirva de referência para todos os indicadores. Por fim, será feito o monitoramento trimestral dos dados.

Cinco capitais já estão envolvidas com o projeto: Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Teresina (PI), Campo Grande (MS) e, representando o Norte, Palmas (TO). No entanto, este ano, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, quer expandir as ações para todos os Estados brasileiros, inicialmente contemplando somente as capitais, para depois expandir aos demais municípios.

Para o secretário municipal de Saúde, Osvaldo Leal, está claro que Rio Branco já está bem adiantada, tanto em ações que dizem respeito à prevenção de acidentes quanto em coletas de dados. “O passo agora é formalizar o comitê de análise de dados”, disse.

Esse projeto também faz parte do pacto firmado pela Organização das Nações Unidas (ONU) intitulado “Década de Ação pela Segurança no Trânsito”. O objetivo é reduzir no mundo o número de acidentes em 50% no período de dez anos.

A diretora-geral do Detran, Sawana Carvalho, enfatizou que o projeto irá reforçar as ações preventivas de trânsito, tanto no âmbito municipal quanto estadual. “Secretaria de Saúde, Polícia Militar e Detran já estão trabalhando juntos e bem unificados”, completou.

“Com o esforço articulado de ações ao mesmo tempo, será possível alcançar o objetivo final do projeto, que é mudar a cultura de segurança no trânsito e fazer com que o cidadão utilize cinto de segurança não porque ele pode ser multado, mas por ser mais seguro”, finalizou Libane.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está de acordo com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saber mais

Ir para o conteúdo