Mulher no volante, prudência constante!

por admin
0 visualizações

A reivindicação feminina por uma sociedade igualitária tornou-se mais concreta a partir da Revolução Industrial. As mulheres vêm conquistando mais espaço na sociedade. E no trânsito não é diferente, é cada vez maior o número de mulheres que tiram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Pilotando motos ou dirigindo carros, as mulheres conduzem seus veículos de maneira consciente, vigilante e tranqüila. No Acre, elas representam aproximadamente 30% dos condutores do Estado. Com relação ao índice de novos condutores, dados do sistema do Detran revelam que elas tem se igualado ao número de homens nos últimos anos.

Para a diretora-geral do Detran, Sawana Carvalho, é importante ressaltar que apesar do preconceito e dos mitos, pesquisas indicam que as mulheres são mais cuidadosas no trânsito. “A maioria das condutoras não se arrisca a beber e dirigir ou fazer manobras perigosas. A prudência feminina é modelo para os demais motoristas”, ressaltou.

Ainda segundo Sawana o comportamento feminino nas ruas contribui para humanizar mais o trânsito, deixar mais gentil, educado e menos agressivo.

Examinadoras de trânsito

Um dos fatores para essa massiva inclusão feminina é a maior diversidade de funções que elas têm ocupado. Atualmente, a mulher opera nas mais diferentes áreas, até mesmo naquelas que eram consideradas estritamente masculinas como engenharia, mecânica, soldadores e outras tantas que estão se rendendo à competência das mulheres.

Na avaliação de candidatos à habilitação, as mulheres ainda são minoria. Entre os 48 examinadores de trânsito credenciados, apenas cinco são do sexo feminino. Uma dessas mulheres é Davilene Anaissi, que atua na área há oito anos e afirma dá conta do recado. “É árdua a empreitada de abrir espaço em funções tipicamente masculinas e ainda conciliar com rotina do lar. Mas, eu me esforço a cada dia para fazer um trabalho bem feito, para fazer valer a minha decisão”, disse.

Outra profissional desta área do trânsito é Zélia Pinheiro. Uma das primeiras mulheres a atuar na área no Estado, Zélia conta que nunca foi desrespeitada. “Sempre fui tratada com respeito, tanto pelos colegas de trabalho quanto pelos candidatos à habilitação. Ser mulher hoje é uma dádiva e não um problema”, afirmou.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está de acordo com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saber mais

Ir para o conteúdo