Medidas preveem transporte seguro de crianças

por admin
0 visualizações

Os acidentes de trânsito representam a principal causa de mortes de crianças, entre as causas externas, desde o nascimento até a faixa etária de 14 anos. Por ano, mais de 2.400 crianças perdem a vida em consequência de acidentes de trânsito no país, de acordo com o Ministério da Saúde, considerando apenas os óbitos nos locais das ocorrências. Promover a segurança durante o transporte é um dos meios de prevenção desses acidentes.

A legislação de trânsito preconiza uma série de cuidados e a utilização de itens obrigatórios de segurança. No caso do transporte infantil em automóveis, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determina que crianças de até 10 anos devam ser transportadas nos bancos traseiros e usar, individualmente, cinto de segurança ou sistema de retenção equivalente.

“Além de transportá-las no banco de trás, outras medidas devem ser tomadas, de acordo com a idade da criança. São indicados o bebê conforto aos menores de um ano, a cadeirinha para as crianças de até quatro anos e o assento de elevação entre quatro e sete anos”, esclarece o corregedor do Detran, Fábio Ferreira.

O corregedor explica ainda que a criança deve usar assentos de segurança até que o cinto de três pontas sirva corretamente. “Para utilizar o cinto do automóvel, é necessário perceber se a criança consegue colocar a costa no encosto e dobrar o joelho na borda do banco sem deslizar para frente. A tira subabdominal do cinto deve ficar ajustada sobre os ossos dos quadris e não no abdômen – ele deve passar confortavelmente sobre os quadris e no centro do ombro, não no pescoço”, explicou.

Quando se trata das motocicletas, o CTB dispõe no artigo 244, inciso V, que é vedado o transporte de menores de sete anos ou que não tenham, nas circunstâncias, condições de cuidar da própria segurança. Além disso, às crianças que atendem esta exigência, é indispensável o uso do capacete com viseira certificado pelo Inmetro, este devidamente afivelado, conforme recomendação do Conselho Nacional de Trânsito. Já no transporte a pé, a criança deve ser mantida sob a calçada, acompanhada de um adulto.

O diretor de operações do Detran, major Teles, explica que se deve ter em mente a vulnerabilidade das crianças e, por isso, o cuidado com elas deve ser redobrado. “A criança não reage no trânsito como o adulto. Ela precisa de cuidados e orientações permanentes sobre embarque, desembarque, brincadeiras e demonstrações onde estão os riscos e como evitá-los”, diz.

Penalidades

De acordo com a legislação vigente, o condutor que não utilizar os itens de segurança para o transporte de crianças pode ser notificado. Caso seja penalizado, recebe multa, sete pontos no prontuário de habilitação, além de o veículo ser retido pela autoridade de trânsito até que a criança seja acomodada corretamente.

Os condutores de motocicleta que transportam menores de sete anos também podem sofrer as mesmas penalidades, além do recolhimento da habilitação e a posterior suspensão do direito de dirigir pelo período de um mês.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está de acordo com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Saber mais

Ir para o conteúdo